Património Arqueológico e Natural

Aqui poderá encontrar informação acerca do Património Arqueológico e Natural existente na nossa freguesia. Clique e arraste o mapa para poder ver onde se situa Património Arqueológico e Natural existente.
Loading
Ponte Romana

Ponte Romana

Onde se situa: Catribana
Coordenadas GPS:38.8875°-9.413889°
Calçada Romana

Calçada Romana

Onde se situa: Catribana
Coordenadas GPS:38.888889°-9.413333°
Fonte Romana de Armés

Fonte Romana de Armés

Onde se situa: Rua da Fonte Romana- Armés- 2715-771 Terrugem SNT
Coordenadas GPS:
Cascatas de Fervença

Cascatas de Fervença

Quem se deslocar de Sintra para Montelavar ou Pêro Pinheiro, utilizando estrada nacional 9 (EN9), um pouco adiante do cruzamento de Campo Raso, no final duma longa recta encontra uma rotunda, onde sai a via para Vila Verde. Esse local chama-se Fervença.
Uns escassos metros,passando a mesma. deparamos uma ponte sobre o curso de água que drena os pântanos que antigamente existiam na Quinta da Granja, chamada do Marquês por ter sido propriedade do 1º Marquês de Pombal, onde hoje é a Base Aérea nº1.
Este regato apesar de ter reduzido caudal no verão é perene, no inverno a corrente toma volume razoável.Deslizando sob a ponte o ribeiro precipita-se encosta abaixo na direcção da Ribeira da Cabrela, o solo do seu leito é pedregoso assim, as águas formam pequenas ondas brancas, transformam-se em cachoeira, quando o declive se acentua.
Segundo o dicionário Houaiss da língua Portuguesa, o prefixo "ferv" pode significar: borbulhar, estar agitado... Na língua galega fervença designa rápido de rio ou ribeiro. Em português, ainda de acordo com o citado dicionário, fervença quer dizer grande agitação.
Assim, consequência deste ribeiro ser de águas agitadas cuja cachoeira é testemunho, originou que ao sítio se atribuisse o nome FERVENÇA. Um topónimo singular. A "leitura" da paisagem continua uma fonte de conhecimento.

 

 

http://youtu.be/mVNJnsg6BUc

Onde se situa: Fervença- Junto á EN 9
Coordenadas GPS:38.839864º-9.354056º
Buracas de Armés

Buracas de Armés

Segundo os testemunhos arqueológicos – especialmente epigráficos e arquitectónicos – poder-se-á recuar o início da exploração de mármores, nas terras sintrenses, à época de Augusto.

Na verdade, terá sido durante o seu imperialato que o ager a oeste da velha Olisipo, entretanto elevada à condição de municipium civium romanorum, conheceu inusitada prosperidade, assente na indústria de extracção e transformação da pedra. Esta, a par de uma economia basicamente agrária, acabou por se tornar, sobretudo durante os séculos I e II da Era, numa das mais significativas actividades económicas deste território, porque, tal como o afirmou Cardim Ribeiro, os habitantes desta zona não deixaram «de explorar, em grande escala, as ricas pedreiras de mármore localizadas perto das actuais povoações de Lameiras e de Armés – além de outras menos importantes e distribuídas pelos arredores –, facto que sem dúvida alguma contribuiu, de forma absoluto decisiva, para o acentuado desenvolvimento da região».

Para além da mera extracção da pedra as evidências arqueológicas indiciam a existência de muitas outras actividades complementares, tais como oficinas de desbaste e afeiçoamento de mármores, quer se destinassem à arquitectura, à epigrafia ou à escultura.

 

Para além da mera extracção da pedra as evidências arqueológicas indiciam a existência de muitas outras actividades complementares, tais como oficinas de desbaste e afeiçoamento de mármores, quer se destinassem à arquitectura, à epigrafia ou à escultura.

Será, pois, neste contexto que se poderá entender a personagem de Lucius Iulius Maelo Caudicus, flamen do divino Augusto que, por volta de 20 d.C. erigiu em Armés, para usufruto comum, marmórea fonte. Este sacerdote do culto imperial, um indígena que ascendeu económica e socialmente na magistratura municipal, seria também detentor de uma pedreira e de oficinas de desbaste, conforme vestígios que se detectaram na villa da Granja dos Serrões, cuja propriedade lhe poderá ser assacada através de inscrição votiva, por ele dedicada a Júpiter.

 

 

http://revistatritao.cm-sintra.pt/index.php/patrimonio/buracas-armes-terrugem

Onde se situa: Estrada Fervença/Armés
Coordenadas GPS: